Inteligência Artificial pode ajudar países de baixa renda a superarem-se

Inteligência Artificial pode ajudar países de baixa renda a superarem-se
PortaldeTI


Um relatório produzido pela Novartis e a Microsoft, prevê que países de baixa e média renda poderão em breve ultrapassar os países de alta renda na adopção de novas tecnologias habilitadas para Inteligência Artificial (IA).

Tecnologias como plataformas de negociação em smartphone, e-banking, e-commerce e até mesmo aplicativos de blockchain, têm sido frequentemente adoptados de forma mais rápida e abrangente em países de baixa e média renda do que em países de alta renda. 

A adopção de tecnologias de saúde provavelmente seguirá a mesma tendência, com a transformação digital acelerada pela pandemia COVID-19.

O relatório determinou que, o contacto reduzido entre pacientes e provedores de saúde devido ao distanciamento social levou a um grande crescimento em tecnologias como os diagnósticos habilitados para IA. Por exemplo, Ruanda tem agora indiscutivelmente o sistema de saúde mais conectado digitalmente, com seu serviço de consultoria virtual ultrapassando dois milhões de usuários - um terço da população adulta - em maio de 2020.
"A tecnologia digital e a IA são capacitadores essenciais para a engenharia de sistemas de saúde de reactivos para pro-activos, preditivos e até preventivos”, disse a Dra. Ann Aerts, chefe da Novartis Foundation e co-presidente do Broadband Commission Working Group on Digital and AI em Saúde, que elaborou o relatório. 

"Temos que desenvolver um ecossistema sustentável para IA em saúde nos países onde é mais desesperadamente necessário”, disse o Dr. Aerts. "Isso tem que acontecer garantindo justiça e acesso para todos. À medida que os sistemas de saúde se reconstroem após a pandemia, a inovação tecnológica deve ser uma parte central da agenda ”.

Prevê-se que uma escassez mundial de profissionais de saúde, que é particularmente grave em muitos países africanos, chegue a 18 milhões até 2030. Isso impulsiona o investimento em ferramentas de IA de apoio, que podem ajudar enfermeiras e profissionais de saúde comunitários a diagnosticar e tratar doenças tradicionalmente vistas por médicos.

A África Subsariana já liderou o mundo na adopção de tecnologia antes. "Aqui no Quénia, temos sido um líder mundial na adopção de banco móvel, que foi adoptado em toda África - não há razão para que isso não aconteça também com a tecnologia da saúde”, disse Racey Muchilwa, chefe da Novartis África Subsariana. "Como os exemplos no relatório deixam claro, a África poderia fazer mais para construir o acesso à perícia médica implementando ferramentas de suporte baseadas em IA juntamente com programas de saúde”.

A IA está a melhorar o acesso aos resultados, ao mesmo tempo que corta custos ao identificar possíveis problemas de saúde antes que eles realmente ocorram. "A IA pode ter um grande impacto não apenas em países de baixa renda, mas em todos os sistemas de saúde”, disse Paul Mitchell, da Microsoft, que co-presidiu o Grupo de Trabalho.
Os governos devem identificar e testar formas inovadoras de financiar IA em soluções de saúde, afirma o relatório. Para garantir acessibilidade financeira a longo prazo para todos, o reembolso nacional de serviços de saúde digitais e habilitados para IA é fundamental.


Voltar